Poesia à vida

sei
tudo o que sou
nasço-o em ti
permanente parto
de flor e dor

não me retens
a braço efémero
passante
do tempo que detens
e me estendes

aurora da seda
serei a promíscua
filha das águas
sempre sedutora e bela
chama fatal
integra idade
em que vivendo morro
o suspiro derradeiro

não te contenho vida
aqui pleno de ti venho
no redondo contorno verso
todo o meu poema é teu
sei o

2014-01-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , . ligação permanente.