Em alerta

é de vermelho que o sangue me resiste
gotejando em fúria o ventre do mundo
e a palavra exangue poema me persiste
janela aberta sobre o dia infecundo

2014-02-04

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , . ligação permanente.