Arquivo de etiquetas: Corpo

Falo de umbigos

perdoo em alguns egos a desmesura dos tamanhos compreendo em outros a ânsia dos pedestais só não desses os umbigos nem os olhos que só vêem espelhos umbigos nem as falas que só falam de si umbigos falo dos falos … Continuar a ler

Publicado em Poesia | Tags , , , , , | Deixe o seu comentário

Que faço eu

que faço eu destes dias áridos sem folhas sem manifestos e o vento esquecido do teu perfume que faço eu do meu lume nestas fogueiras empertigadas na ausência dos espíritos claros que faço eu das noites ardidas manhãs das horas … Continuar a ler

Publicado em Poesia | Tags , , , , , , , | Deixe o seu comentário

E tua mão deserta

sou a onda medonha a morte encarpelada sou o rasto de tudo sobre um fundo de nada sou o grão que resvala sob uma praia inundada sou invisível à sorte a cada porta entrada sou a raíz partida de viagem … Continuar a ler

Publicado em Poesia | Tags , , , , , | Deixe o seu comentário

Equidistâncias

céu meio seu meio meu olho um mar aberto outro fechado 2017-05-30

Publicado em Microcontos, Poesia | Tags , , | Deixe o seu comentário

À vista do amor

à primeira vista amor é cego só no deslumbre se vê à segunda nem há cego que não dê pelo amor a perder de vista à terceira que seja visto que é amor de vez 2017-04-24

Publicado em Poesia | Tags , , | Deixe o seu comentário

À sombra das horas

há dias sobre os telhados à espera de nossas janelas manhãs que à noite se beijam e nunca tarde se deitam há tempos sob todo o céu que em cada tempo mora abracem-nos sóis de aqui na sombra de cada … Continuar a ler

Publicado em Poesia | Tags , , , , , , , | Deixe o seu comentário

Bem disposto

de pé depende de lado a jeito se me sento sinto por que me deito 2017-02-28

Publicado em Poesia | Tags , , | Deixe o seu comentário

Estrela da manhã

abraço em ti a vontade de céu 2017-02-28

Publicado em Microcontos, Poesia | Tags , , , | Deixe o seu comentário

Numa relação

estou numa relação com o destino assaz conturbada de natureza incerta definitivamente indefinida relação aberta nem sempre querida nunca traída nem pela morte ameaçada chamo-o de meu sem saber como nem porquê sem desvendar seus segredos segredo-lhe os meus desvelos … Continuar a ler

Publicado em Poesia | Tags , , , , , , , | Deixe o seu comentário

Como as cerejas

sobram cerejas no meu peito para contigo conversar 2017-01-29

Publicado em Microcontos, Poesia | Tags , | Deixe o seu comentário