Flor do verde manto

façam-me de papoilas o tempo
que a hora enrolada
despida da cor padece
e me sangra a memória do dia
façam-me de vermelho o momento
que o verde manto
diáfano da saudade tece
e pontilha o campo de alegria

2012-03-12

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , . ligação permanente.