Flor do verde manto

façam-me de papoilas o tempo
que a hora enrolada
despida da cor padece
e me sangra a memória do dia
façam-me de vermelho o momento
que o verde manto
diáfano da saudade tece
e pontilha o campo de alegria

2012-03-12

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *