A dimensão da vida

de cosmos medida
em escuridão e luz
ouço do silêncio a batida

a vida respira no olho do tempo
sem ponto de partida
nem remissão da morte

meu único verso
é do tempo do sonho
passado sem sombra por vir
aqui já sou a hora de agir
amanhã ainda fui menos a de hoje

um fôlego de sorte
entre a luz e o chão
minha é só a vida que sou
ínfima demais para de todo sê-la
demasiado grande para caber no mundo

2015-11-30

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *