Chuvas de outono

águas d’outono escorrem sua desdita
tentam de branco em folha verde alerta
outra cor de orvalho em que se meditam
pulsando o tempo numa vontade incerta

efémeras cores que se vão caindo
do brilho havido no estio da-dor
dispersas tintas de pétala oculta
que da haste em pranto se verão flor

2012-09-23

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *