Coisas do meu género

venho do ventre
ó minha mãe
olho de frente
semente do mundo
nasci cresci criança e falo
amiúde me vi à janela do tempo
ora errante ora maré cheia
e caminho firme de sentido fundo

à frente a flor traz o pólen
a pétala o estame da dor da vida
outras gerações dos géneros que sou
o mistério e a fonte da atração do beijo
quantas vezes me abraço outras tantas me dou

o silêncio é de ouro e de prata a palavra
no azul das estrelas e nas cores dos ventos
o verso me espelha a luz me aflora
é a alma que me lavra
o espírito dos tempos

neste género sem jeito de conversa nua
sobre coisas simples sem género algum
desde o princípio sem nenhum fim

o meu género se acaba e dá cabo de mim

2016-04-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , , , , . ligação permanente.