Corpo e alma

trepas da noite
a aurora
sob teus dedos
cio que
tua natureza é
morre nascendo
teu amor se faz
inteiro mundo

tateias de água pura
poros de teu sangue
trazes o sol da lágrima
da dor liberta
carícia permanecida
trilho de teu sorriso

me desnudo
em teu ventre
quão fundo sentes
fusão do tempo
fruto e semente
que nos nasce
sei o de amor

me cenas de abraços
que teu corpo houver
de andar sustido
passos que de feitos
espírito são
do desejo
de mais fazer

acesa
a luz do beijo
de teu coração
é toda a pele
do dia que amanheces

como corpo és
tanta alma que te vejo

2013-01-31

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *