Sonho

Há uma linha ténue que já não está.
As palavras balançam lentamente.
Deslizam suaves na dormência mais íntima de mim.
Excitam-me de felicidade os sonhos nas ruínas em que me deito.
Aspiram febris ao abandono da plenitude em brasa.
Fecho os olhos.
Despertos.
Há uma linha ténue que já não está.

2011-01-24

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *