Tempo de vida

não é teu o tempo
da tua vida
mas cada instante
de indolência ou espavento
reluzindo espelho
entre os demais espelhos do tempo

ora soturno
quando voas teus medos
sob as asas de um cisne negro
e te expões à solidão
nas alamedas dos dias

ora cintilante
quando abraças teus sonhos
alvos cisnes de um planeta azul
e acordas o amor
sobre a memória entorpecida

tua vida
assim desmedida
não é do tempo que por ela passa
mas do amor que por ela fica

em tempo
saiba eu dar o passo
para ti
o chão de mim

2021-03-31

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *