Outras faces da paralisia

que cara de pau me irrompe
face a face
sem aviso?

face escondida
de supetão revelada
à superfície da pele
infundadamente
a expressão calada

dá-me a outra face
vida
dá-me vida
nos espelhos que te dou

se outros rostos o arrostam
rosto sem vida não é de morte
nem mais que uma sorte
dos rostos que a vida tem


teu sorriso largo
é face e alma do meu

meu beijo torto
é inteiro quando no teu

2015-01-28

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *