Ilhas

somos ilhas hesitantes
encarpados rochedos
sobre os ombros dos medos
veredas curvas dos ventos
abrigos em descuido
de tempestades lunares

somos ilhas ambulantes
e suas rotas circundantes
remos rombos sem navios
ao leme de destinos
navegando-se tormentos
sobre as rosas dos mares

hão das ilhas flutuantes
ir-se os tempos de viés
silhuetas no convés
barcas sem fogo ou vela
sombras vivas dos sonhos
de bruços sobre as marés

hão as ilhas de antes
de saber pois os rumos
de a mar outros mundos
em arquipélagos nus
hão de ilhas amantes
de suportar toda a luz

2014-10-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , . ligação permanente.