TV te vês

quem és
no que tu vês
ventríloquo das falas do mundo
pedestal de farsas
de janelas os disfarces
alçapões de verdade
esquecida
sob mantos brancos de mentira

quase me gritas
a ânsia cega
o ócio incestuoso das vaidades
sem vislumbre de pudor
agonizante
em fátuos falsetes
hipérboles arrebatadas

quem és
da vã loucura
no ventre sangrento do mundo
que palavra sagrada
me unges decapitada
e não me ditas

quase me dizes
a hora que desfalece
e calas do embrião a semente
florescente dos tempos
que silêncio incólume
alguma vez desvanece

quase vejo
sem sequer t’ver

2014-09-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.