De nada sei

de nada me fiz mundo
rio que tudo flui
de amor a foz lenta
mente em vaga se movendo
que da nascente
se futura lágrima
em seu canto naufragada
sem saber nem sei
de nada

2014-09-17

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *