Tempo comum

é intemporal
o tempo
em presente fugidio
futuro que se vai
passado que fica
na réplica dos espelhos
em teu coração alado
eterno pulsar dos sonhos

sempre agora
nunca nunca
é tempo
de se perder
faz tempo
que a vida tem
o tempo comum
dos mortais que a mudam

ponto a ponto
pontuo o tempo branco
da cor de teus olhos
lidos sem fim
arco-íris do mundo
linhas imaginadas
dia a dia
que abraço e beijo
nas minhas mãos
o tempo seguinte
o poema liberto
sem hora marcada
a palavra segundo
a cadência da luz
sobre os minutos redondos
do silêncio dos medos

são tempos de mim

2014-07-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , , . ligação permanente.