Instantâneos

que instantes seremos
e de mais outros poderemos
se não a ilusão da eternidade
na ruminância da mente
e na luminesc(i)ência dos afetos?

2014-06-29

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *