Sete rotinas

primeiro abraço
o dia como alvorada
à segunda tentativa
já me raia o caminho
terço minhas lutas
sem armas aperradas
em meu quarto desenho
as linhas que me destino

na quinta essência
de um ritmo lento
como tudo que perdura
na sexta ilusão de chegar
ao sol de um paraíso
em maçã de pouca dura

sabe a pouco
esse tudo ardido
em horas desfeitas
escassos pingos
de sete sabatinas
sábado é de novo longe
meu tempo precisa de domingos

2014-03-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , . ligação permanente.