Migrantes

quando as raízes se alongam
e não há flores no deserto
sobram rios em busca
do seu leito de regresso

2014-02-10

Esta entrada foi publicada em Microcontos, Poesia com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *