Pétalas de orvalho

De amar não me arrependo
Amor que flutua ao vento
Eternizado no pensamento
Em cada suspiro rendido
Em cada gota perdido
Ai de mim!
Que não me amordace a paixão
Que deixe o Amor voar
Pingar límpido das nuvens
Em doce algodão
Em ti florir
Pétalas de orvalho
Eternas gotas
De ti nunca colhidas

2010-09-06

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *