Escuros também somos, claro

Entra em mim em todas as horas
No brilho da noite, na escuridão do dia
Invade-me pelas arestas do meu tempo
Vê nelas as veredas onde brota a vida

Na minha raíz de que sou flor
Nada se corola em sua cor escondida
Bebe minha seiva, floresce na minha cor
Pinta o arco-íris com a sede de partida

Pela cor das minhas folhas em que ficas, vai
Pelas cores das asas que me voas, vem
Leva a do pólen que da minha flor se esvai
Deixa a do sabor que teu beijo tem

A cor é uma só, e a alma, que não a tem,
Se pinta arco-íris quando do amor é corpo
Escuros também somos, claro!

2010-08-05

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *