Sentidos

és grito quando nasces
e choras
em pleno riso para o mundo

homem
és de novo homem
quando mulher
morres e nasces
semente e fruto
da perenidade do tempo
seio
sempre flor

queima nas tuas mãos
todas as queixas do mundo
nos sonhos
que tardam
para lá do amanhecer
serena
tua prece
não se apresse
ainda que teus joelhos doam
intrépidos
sob o murmúrio das vozes
e desejos incontidos

ouve o silêncio e a dor
de todas as planícies desérticas
ausências de ti
no verde de teus olhos
quando horizontes se fecham
caminha
tuas montanhas azuis
até ao dealbar das estrelas
semeia destinos
sobre as curvas das noites
em corpos que se amam
inventando sentidos
de momentos perecidos

sê amor em quanto morres
e ri
em todas as partidas do mundo

2013-08-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , . ligação permanente.