Quietude

Na imensidão
Mar que navego manso
Estendo sonhos
Ao largo do que sinto
Bolinando o vento

De achamentos sempre novo
Horizontes do que vou
Me poisam nos mastros pássaros
E me faço no rumo voo

Céu azul, clara luz
Me serena em espelho a-mar
Caminho que ao navegar
Me faz tudo o que sou

2010-09-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.