Intemporalidade

que me dizes amor
das flores
que tão mais belas
de teus espelhos são

diz-me fundo
do coração amor
cego o vês
além da tua condição

bom o grão
amor
a semente
em quanto fruto te prometes
prole da tua plenitude

belo o pó
amor
o momento
quão grande o eternizas
ante a tua finitude

2013-05-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , . ligação permanente.