Jogo da culpa

não culpes a onda se é mar
nem o mar
se na onda vem
devolvida toda a culpa
lhe atirada seja por quem

não desculpes
as desculpas
se de vidas culpas não são
desculpas
também não culpes
essas que sem culpas vão

no jogo que da vida houver
sem haver culpa
de ninguém
culpa apenas o que de culpa
qualquer jogo de culpas tem

2013-02-27

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , . ligação permanente.