Inteiros

Ouço a tua voz sussurrada nos meus lábios
Dentro de mim, banhado no que sentes
Falo-a de chamas, brisa que me sopro
Navegando em mar de ondas quentes

Tudo me dizes na pele que me vestes
Em minhas mãos que a cantam de seda pura
Calo meus dedos na música que solfejas
Dedilhando beijos em fogosa aventura

Quando já só de perfume teus cabelos beijo
E de mel me saboreias o fogo nunca ardido
Me amacias o abrupto mergulho no teu fundo
Inteiros, tu e eu, num só pleno ser fundido

2010-09-15

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.