Fazer se amor

se é entrega inteira da vida
fazer o amor
sempre aí a recompensa
ainda que esvaída
incólume
sob as sarjetas do tempo

2012-12-28

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *