Consumindo ideias

por que teu sangue ferve
para que consumido
no ardor que chamas
são princípio construído
se de sombra tua luz
se reproduz
serena
cada ato produzido

apenas vês
a nitidez da luz
atrás do passo que dás
na tua sombra
na minha sombra
se de outras sombras não hás

firme avança teu pé
crente em saber que sentes
sem sinal de destino
alcança fundo quanto é
além mundo aqui sempre
de meu braço peregrino

em frente
não se descortina
o caminho que soubemos
nova gente
seremos
tu e eu
mais que adivinhemos

quando velhas ideias te tropeçam os passos
vai, despe teus sonhos nus
sobre as marés que mar se vão
na peugada dos sentidos

2012-09-29

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , . ligação permanente.