Tempo de espera

o tempo sempre em si desagua
por quão eterna seja de si a espera
fatal destino, o tempo de não o ser
logo vaga que ainda não outra era

2012-05-21

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *