Rio bravo

de que curso minha vontade há de ser
entre que margens meus medos se aquietam
até ao frenesim da paz em que me deito?

2012-02-01

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *