Meias tintas

por a beleza do cristal
transparecer mais de águas
que de suas faces
talvez à pureza de caráter
toda a moda de cor-mate
seu brilho

2012-01-27

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *