Eras

tu me
eras
de saberes quem eras
de que quimeras
te fazias

eras
sempre de nunca seres
nas tantas eras
tu me
concebias

nasces em mar de fantasia
navegas-te
barco fogo de tantas terras
(eras)
sempre mais velas
sopro do tempo
em que te levas
tua ilusão em mim
nunca enfim

és teus sonhos em vigília
quão de humano hás de ser
mais
do que ainda eras

se tua esperança de esperas não é
e tudo esperas em tua fé
sê humana
que vida serás
de divina quanto te buscas
em quantas eras me és

2011-12-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.