Sobredestinos

vagos lumes incrédulos da distância
vamos do tempo desertando cada instante
periclitantes sóis de universos indefinidos

somos de mais por tanto que sonhamos
impossíveis aquém da morte
moldada nas vidas que esculpimos

somos de menos artefatos para os sentidos

2011-10-07

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *