Ciclo

Há um universo de folhas lidas
Em cada regresso de uma flor que teima
Definitivamente
Sempre de novo seu contínuo início

2011-10-03

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *