Ciente

se te fazes razão em que me procuro
da curiosidade necessariamente nascida
sempre aqui és passo de meu caminho
necessidade curiosamente a-crescida

nunca a minha técnica se afigura
de ti segura em toda a criação
no limiar de quanto além consigo
contigo avanço movido de emoção

ciência que me insistes em saber
que sentido há meu querer sentindo
abres de todo o mundo os seus limites
e cada sonho daí sempre emergindo

testas todos tetos que de novo inventas
omnignorante de tanto saber que esperas
de que mortes vencidas são tuas vidas
de que vidas se na morte as regeneras

2011-07-29

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.