Naveguemos

Amaremo-nos em esquadrão de águas
Rumo ao desconhecido a céu descoberto
Não perguntemos quanto a mar nos vamos
Amar-nos-emos quão de coração formos
Em toda a asa branca em que velamos

2011-07-29

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *