Vaga do tempo

Grão é nossa areia no deserto
Sempre a cor que brota
Na lonjura da noite
Crepúsculo de terrenos deuses
E o vento
É sempre dele o tempo
Vaga da vida e da morte
Além de toda a sentença
Alegre é a flor
Triste não o saber
No silêncio que nos chove
A fértil semente
Em que nos esperamos

2011-07-19

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.