Verbo

Ah… verbo que verbero
ou não verbero, verso
que bebo, se devo, e passo!
De ti me prendo, meu reverso
perpétua verve
universo
que de ver só d’escrever o faço.
Vem-me puro ínclito verbo
e vai-te erudito tal como vieste
nascente e foz, leste e poente
nova corrente
verte-me a verdade que nunca viste!

2011-07-15

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *