À luz do amor

por-quanto de outras vidas as horas
se vão plantando de cores
não sei
se só sei
a luz em que me demoras
alma pura que em tanto
me povoa de branco
meu verde prado de amores

2011-07-12

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *