Graça virgem

De azul farei minha sentença:
Nobres céus, ao humano cego de querer
que de vossa bela cor tenha mercê
não o deixeis apoucar tamanha graça!

2011-07-03

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *