Escritas

Já não sei mais de palavras
Andam todas por aí
Livremente
Em a-mares de rosas
Lúcidas
Impetuosas
Servindo sábias
Pequenas doses de universos sem fim
De tudo o que ainda não sei de mim

Inesgotáveis as palavras
Que se versam íntimas
Pela mão do poeta!

2011-06-27

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *