Lentamente

No fio das horas
há demoras
que se fazem dias
que se fazem noites
estações esculpidas
no mármore do tempo.
Há um ritmo lento
marcado a pó
fugindo parado
na água corrente.
E os minutos passam.
E os segundos contam.

2011-06-16

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.