Lentamente

No fio das horas
há demoras
que se fazem dias
que se fazem noites
estações esculpidas
no mármore do tempo.
Há um ritmo lento
marcado a pó
fugindo parado
na água corrente.
E os minutos passam.
E os segundos contam.

2011-06-16

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *