Sólida solidão

Que milagre nos prolifera
replicando a persistência das horas
em que nos con-fundimos
e nos inventamos sem nós,
a sós.

2011-05-04

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *