Páscoa

Quantos medos
meu irmão
da vida ergues em temores
Em que tu-mores
morres de antemão

Com que ódios
meu irmão
na morte cais tuas trincheiras
Emparedado
paredes meias de ficção

Com-passos de paz te chamam
meu irmão
na quaresma dos caminhos
Segue o toque, estende os laços
ressurreição
dos ramos em que nos unimos

2011-04-24

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *