Ainda agora já dia

Há um dia parado
Minha espera
Tem sons de sonho desbotado
Nascido crença, depois quimera
Ainda na manhã
Nas cores do fado
Uma infância de mão estendida
Canta
A alegria de outrora
Já me move outro som
Que desencanto
Agora é tarde e amanheço
Troco as horas
Num impulso sem sentido
Do relógio
Agora me acerto
Ainda é cedo
Já a noite me vive mais além
Alvoroço-a na manhã
Em que desnudo
Rotulo de mim todo meu tempo

2011-03-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , . ligação permanente.