Entre co(r)pos

Entre cada copo o teu travo
que trago, travo
e me embriaga da espera, que bebo
Há um pretérito
que de gelo se ausenta
e um futuro
que da saudade se inventa
Há, entre cada corpo
um copo
um tempo que se desvanece

2011-03-23

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *