Por que

Por que estás aqui
Nesta via estreita
De sentido único
Espaço emboscado
Fogo de silêncios cruzado
Plano oblíquo
De vácuos repleto

Vês as janelas que te cercam
Espelhos de asas azuis
Altaneiros umbrais do tempo

Pássaros ali
Teus sonhos
Repousam
Serenos da espera
Como se já houvesse eternidade
E plena luminosidade
Em seu ventre

Quanto te pesa o passo
Aqui e agora
Por quanto mais o preço
Que te gastas na demora

Tu,do que em ti pode ser em ti mora

2011-03-11

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , , . ligação permanente.