Branca flor

De branco nasces
nas cores da manhã desperta
tapete de luz
serena em teu jardim
Floresces livre
nas pétalas que inventas
tu sabes
da pureza casta dos lírios
como da flor de laranjeira
tu sabes
da tortura delicada das rosas
da cravada cor que irrompe nas veias
tu sabes
da exuberância doce do jasmim
como da flor da amendoeira
tu sabes
da nobreza perene da edelvais
da firme cor para lá dos vendavais

Dás-te
de branco multicores
de pétalas teu perfume
voa semente
pousa de raízes
nas verdes folhas que transpareço
Beijas-me no chão
espelho de água que te acolhe
te nasce não te colhe
Dás-te
corola de corpo inteiro
força de querer
intensa coloridade
mas não as flores
que
de amor-perfeito
me basta a vontade

2011-01-31

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.