Tanto dia

Noite que te despertas
Há em ti tanto dia!
Aurora de sonhos
Centelha que libertas

Janelas abertas
Teu corpo de luz
Nas paredes nuas
Tuas
Que atravessas

Há em ti brilhos
Paridos de vida
Nascidos
Beijos no tempo
Que fecundas

Braços estendidos
Na tua lonjura
Além do mundo
Laços que a-pertam
Não prendem
Nem quebram

2011-01-17

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.