Lembranças vivas

as coisas sem nome
teu nome
ausente
no espelho dos afagos idos
coisas que lembram
as histórias de cada palavra
tua voz silente
coisas inesquecidas
livros, lidos vivos
que soletro, minha boca
piano, sentidos sons
que dedilho, teu corpo
coisas que importam
e já não importam
na luz que se anuncia
serena
sobre as coisas
por natureza mortas
em suas cores vivas

2011-01-17

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , . ligação permanente.