Madalena

Tua alma inquieta
ao amor te condena
amante antes de amada
Só no amor se liberta
Erguendo-te do pó
do nada
nua perante o destino

Teu amor não tem presas
nem reservas
É ave de fogo sem freio
chama intensa
incondicional, inteira
Partilha nas asas da paz
sem medos
toda a quimera

Amor de almas
para além dos corpos
explodindo em flor
lapidando as pedras
por onde brota, eterno
gravando nelas
o brilho das estrelas

Na lápide dos tempos
teu nome gravado
chega-nos desperto
ciciado pelos ventos

Ao pó regressam
impunes
as pedras vãs
subjugadas
à tua sagrada nudez
Puro coração flor
nunca profanado

2010-04-14

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , . ligação permanente.